Hippie – Resenha

Livros, Reflexões
05/09/2018


Terminei de ler Hippie, já faz algumas semanas, e como alguns livros de Paulo Coelho, este levou algum tempo para ser digerido e começar o efeito catarse.

Hippie é um livro autobiográfico, um recorte de uma parte da vida de Paulo, sua fase Hippie, mais especificamente o ano em que ele estava em Amsterdã e embarcou no Magic Bus, rumo a Kathmandu. A história é sobre esta viagem, sobre os encontros que ele teve no caminho e sobre transformações. O livro também nos situa historicamente, nos coloca em meio a uma ditatura e seu horror, ele conta em detalhes experiências de tortura, e de lá nos leva para o encanto dos Hippies e sua busca por uma vida mais leve e livre.

Lendo daqui deste tempo e espaço eu consigo traçar um paralelo, enquanto uma onda de ódio e fundamentalismo se levanta e todos parecem ter enlouquecido (de forma negativa), eu embarco no Magic Bus, em busca de alguma resposta. Lembro que Paulo Coelho, em entrevista ao jornalista Pedro Bial disse: “eu escrevi (Hippie) para acabar com essa polarização que a gente vive hoje”, e então animada eu sentei no banco ao lado de Paulo e Karla.

Eu adoraria dizer mais sobre esta viagem, mas isso incluiria ter que revelar muitos spoilers. O que eu posso dizer, sem estragar a experiência de leitura de ninguém, é que a viagem valeu a pena, e encontrei o que fui buscar.

Com Hippie na minha cabeça, penso que em tempos de trevas devemos olhar para dentro, para nosso eu interior, que devemos “partir” (simbolicamente) em busca do nosso despertar, em busca do que realmente importa, fazer o nosso Trabalho, o que deve ser feito sem se deixar seduzir pelo ódio voraz, pelo medo ou pelas portas dos paraísos solitários, é preciso procurar o amor e deixá-lo fluir dentro de nós, até que a gente se confunda com ele próprio. O amor não tem polaridade.
Quando alguém se desperta para o Amor, se torna uma espécie de “Pedra Filosofal”, que desperta o Amor nos outros ao redor, transforma chumbo em ouro. Este é o caminho.

“As pessoas escutam apenas aquilo que querem, jamais tente convencer ninguém, siga apenas o seu destino sem medo – ou até mesmo com medo, mas siga o seu destino.” – Hippie.

Não é raro reler um livro de Paulo Coelho e enxergar outras dimensões no texto, chegar em outras conclusões. Então caso esta não tenha sido a sua reflexão e queira compartilhar comigo qual foi, eu ficarei muito feliz em saber.

Gostaria de fechar este texto com uma frase do poeta Rumi, que me parece muito oportuna:

“A ferida é o lugar por onde a luz entra em você.” – Rumi

Gratidão.

 

Compartilhar

O que você vai aprontar no pedacinho que lhe couber?

Cultura, Reflexões
06/10/2017


Hoje o Facebook me lembrou que algum tempo atrás eu assisti uma das peças teatrais que mais me impactou positivamente e de alguma forma me transformou, me deu aquele chacoalhão. Galileu Galilei de Brecht. Procurei na internet o texto final da peça e achei! Quero compartilhar com vocês:
———
A pratica da ciência exige coragem, ela negocia com o saber conquistado pela dúvida, como artista eu tive uma oportunidade única, eu vi a astronomia alcançar as praças do mercado a nossa nova arte da dúvida encantou o grande público que arrancou o telescópio das nossas mãos para apontar para seus carrascos, entretanto esses homens poderosos nos cobriram de ameaças e ofertas de suborno, irresistíveis para as almas fracas.

Nessa hora a firmeza de um homem poderia ter causado grandes abalos. Seremos ainda cientistas se nos deligamos da multidão? Vocês trabalham para que?

Eu acredito que a única finalidade da ciência está em aliviar a canseira da existência humana e se os cientistas intimidados pela prepotência dos poderosos acham que basta amontoar saber por amor ao saber, a ciência pode ser transformada em um monstro e nossas novas máquinas serão novas aflições, nada mais.
Bertolt Brecht (Galileu Galilei)

———-
Mude Ciência/ Cientista para arte/ artista, mude para os que já foram perseguidos, mude para místicos, filósofos. O alvo muda, o objetivo tenebroso mantém-se o mesmo.

Galileu Galilei em seus últimos dias encarcerado dentro de sua casa, cumprindo pena, era vigiado constantemente, proibido de escrever qualquer coisa considerada heresia. Mas a noite em seu quarto escuro, iluminado apenas pelos restos de luz da lua das noites claras ele terminou a sua obra.

 

Compartilhar

O tempo e eu

Bloco de notas, Reflexões
19/05/2016

206602701625293070AXVzh1yYc

É provável, mas não é certeza, que tenho pela frente mais futuro do que passado. De qualquer maneira, sou grata por hoje, na dita “flor da idade”, poder ler o que Rubem Alves nos revelou, admirar esse ponto de luz e refletir sobre ele.

Esses dias li uma frase, do Chapeleiro de Alice, que diz assim: “se você conhecesse o Tempo tão bem quanto eu conheço, não falaria em gastá-lo como se fosse uma coisa. Ele é alguém.”

Eu sempre acreditei nisso. O tempo pode ficar profundamente magoado conosco, quando não lhe damos o devido valor. E que VALOR o Tempo tem!

—-

O TEMPO E AS JABUTICABAS – RUBEM ALVES

Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver
daqui para frente do que já vivi até agora.
Tenho mais passado do que futuro…

Sinto-me como aquele menino que ganhou uma bacia de jabuticabas…
As primeiras, ele chupou displicente… mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço…

Já não tenho tempo para lidar com mediocridades…
Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados.
Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram,
cobiçando seus lugares, talentos e sorte.

Já não tenho tempo para conversas intermináveis…
Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas que,
apesar da idade cronológica, são imaturas…

Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário geral do coral…

As pessoas não debatem conteúdos… apenas os rótulos…
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos…
quero a essência… minha alma tem pressa…

Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços…
não se encanta com triunfos…
não se considera eleita antes da hora…
não foge de sua mortalidade..

Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade…

O essencial faz a vida valer a pena…
e para mim basta o essencial…

 

———

Ilustração: pinterest

 

 

Compartilhar
Página 1 de 212