Hippie – Resenha

Livros, Reflexões
05/09/2018


Terminei de ler Hippie, já faz algumas semanas, e como alguns livros de Paulo Coelho, este levou algum tempo para ser digerido e começar o efeito catarse.

Hippie é um livro autobiográfico, um recorte de uma parte da vida de Paulo, sua fase Hippie, mais especificamente o ano em que ele estava em Amsterdã e embarcou no Magic Bus, rumo a Kathmandu. A história é sobre esta viagem, sobre os encontros que ele teve no caminho e sobre transformações. O livro também nos situa historicamente, nos coloca em meio a uma ditatura e seu horror, ele conta em detalhes experiências de tortura, e de lá nos leva para o encanto dos Hippies e sua busca por uma vida mais leve e livre.

Lendo daqui deste tempo e espaço eu consigo traçar um paralelo, enquanto uma onda de ódio e fundamentalismo se levanta e todos parecem ter enlouquecido (de forma negativa), eu embarco no Magic Bus, em busca de alguma resposta. Lembro que Paulo Coelho, em entrevista ao jornalista Pedro Bial disse: “eu escrevi (Hippie) para acabar com essa polarização que a gente vive hoje”, e então animada eu sentei no banco ao lado de Paulo e Karla.

Eu adoraria dizer mais sobre esta viagem, mas isso incluiria ter que revelar muitos spoilers. O que eu posso dizer, sem estragar a experiência de leitura de ninguém, é que a viagem valeu a pena, e encontrei o que fui buscar.

Com Hippie na minha cabeça, penso que em tempos de trevas devemos olhar para dentro, para nosso eu interior, que devemos “partir” (simbolicamente) em busca do nosso despertar, em busca do que realmente importa, fazer o nosso Trabalho, o que deve ser feito sem se deixar seduzir pelo ódio voraz, pelo medo ou pelas portas dos paraísos solitários, é preciso procurar o amor e deixá-lo fluir dentro de nós, até que a gente se confunda com ele próprio. O amor não tem polaridade.
Quando alguém se desperta para o Amor, se torna uma espécie de “Pedra Filosofal”, que desperta o Amor nos outros ao redor, transforma chumbo em ouro. Este é o caminho.

“As pessoas escutam apenas aquilo que querem, jamais tente convencer ninguém, siga apenas o seu destino sem medo – ou até mesmo com medo, mas siga o seu destino.” – Hippie.

Não é raro reler um livro de Paulo Coelho e enxergar outras dimensões no texto, chegar em outras conclusões. Então caso esta não tenha sido a sua reflexão e queira compartilhar comigo qual foi, eu ficarei muito feliz em saber.

Gostaria de fechar este texto com uma frase do poeta Rumi, que me parece muito oportuna:

“A ferida é o lugar por onde a luz entra em você.” – Rumi

Gratidão.

 

Compartilhar
Comentários