Vivendo o “Viva Este Livro!” – Ação 34

Aleatoriedades, Livros, Viva Este Livro
15/05/2017

Quadro de inspirações!

O que tem, ou terá, no seu quadro de inspirações?

No meu tem Lisboa, Ìndia, Malala, Paulo Coelho, uma Ilustração surrealista cheia de significado, Quadrinho do Armandinho, Frida <3, Mamãe Divina, uma foto que me simboliza o estado de paz mental, uma foto de uma casa linda, fotos pessoais…

São coisas do campo Ser e Ter que me inspiram.
Imagens motivadoras que me lembra todos os dias de coisas importantes que eu quero alcançar.

O quadro de inspirações pode, e vai, mudar conforme o passar do tempo. Outras pessoas inspiradoras vão surgir, sonhos serão realizados e você terá novos sonhos, outros desejos nascerão no seu

O importante é viver uma vida de forma consciente, sabendo onde quer chegar, o motivo e onde se está agora.

“Quando você quer alguma coisa, todo o universo conspira para que você realize o seu desejo” – Paulo Coelho.

Precisamos querer. Escolher nosso caminho, ou isso, ou seguiremos no caminho dos outros.

Construir um quadro de inspirações é uma ótima atividade para se fazer em família, e um baita exercício de autoconhecimento.

 

 

– INFORMAÇÕES TECNICAS –
Câmera: Canon G7X
Música: Winter Ride by Twin Musicom
Edição: Felipe Romão
Maquiagem: Talita Sonja http://bit.ly/2iRTklP

Compartilhar

Breve resumo do meu dia

Aleatoriedades
04/05/2016

WIN_20160504_180425 WIN_20160504_180440 WIN_20160504_180454 WIN_20160504_180502 WIN_20160504_180528 WIN_20160504_180555 WIN_20160504_180557 WIN_20160504_180559 WIN_20160504_180606 WIN_20160504_180612 WIN_20160504_180617 WIN_20160504_180638 WIN_20160504_180646 WIN_20160504_181008 WIN_20160504_181011 WIN_20160504_181030

Compartilhar

Boas ações devem ser divulgadas!

Aleatoriedades, Reflexões
02/03/2016

cari001

Essa semana eu estava navegando pelo Facebook quando vi a seguinte postagem da página “Razões para Acreditar”:

div
”Ganhei dois ingressos do #‎Cinemark e entreguei para os garotos que participam do projeto assistirem um filme, sendo que um deles nunca tinha ido ao cinema.

Estava trabalhando e me mandaram uma mensagem dizendo que as pessoas da bilheteria não queriam trocar os ingressos por tickets para o filme, a garota do guichê alegava que a xerox do RG não era válida – em sessão de classificação livre – e o menino mais velho me mandou mensagem dizendo que achava que o motivo era o chinelo que o mais novo estava calçando.

Fechei o bar e vim para o shopping, no caminho pensei em comprar um tênis para o garoto e entrar no filme com ele -assim talvez ele entraria – mas também pensei que dessa forma mostraria pra ele que só tem valor quem tem COISAS.
Tirei meu tênis e vamos assistir o filme, eu descalço e ele de chinelos. Doa a quem doer !”
Post originalmente publicado pelo Guilherme Ferreira Souza

div

Clique na imagem para ir para a postagem

Clique na imagem para ir para a postagem

div

Fiquei curiosa para saber o desfecho dessa atitude incrível e fui até os comentários para saber se o autor da foto havia comentado algo falando se conseguiu ou não assistir o filme. Não encontrei mais nenhuma informação, mas me deparei com o seguinte comentário:

caridade02

Na hora me lembrei de uma situação que aconteceu comigo há mais ou menos uns dois anos atrás. Pelo Facebook, através de uma amiga, eu fiquei sabendo de uma família carente de São Paulo que estava passando por muita necessidade. O filho mais novo dessa família, um garoto de 6 anos, estava em tratamento para combater um câncer, por conta disso sua única distração era um vídeo game e uma TV que infelizmente tinham sido roubados por bandidos que invadiram a casa do garoto numa noite em que ele estava brincando com o irmão.

Esse relato me tocou muito e decidi ajudar. Eu queria que aquele garoto soubesse que existem pessoas boas no mundo, queria apagar aquela imagem do bandido entrando na casa e arrancando a TV e o game do quarto dele, eu queria que isso fosse substituído por um ato de bondade.

Conversei com alguns amigos e divulguei o caso na minha página pessoal. Recebi uma porção de doações! Roupas, eletrodomésticos, livros e até mesmo um videogame! Faltava a TV, e munida de muita certeza que conseguiria ajudar eu fui até a Fast Shop, contei o caso e o vendedor da loja me vendeu uma TV novinha que estava em exposição pelo preço de custo.

Ficamos muito felizes e fomos até a casa do garoto para entregar. Conhecemos a família dele, entregamos todas as doações e tiramos uma foto que postei na mesma hora nas minhas redes sociais.
Quando cheguei em casa vi uma mensagem inbox de uma amiga minha. Ela escreveu me parabenizando pela atitude e me dava um “conselho”: “cuidado com essas fotos que você posta fazendo caridade… As pessoas vão achar que você faz isso para aparecer e você sabe que a caridade deve ser anônima ou então é vaidade. “

Cara, isso nunca havia passado pela minha cabeça! Para mim era algo tão bonito e natural que eu jamais imaginaria que alguém poderia pensar assim. Mas é fato, muitos pensam assim! E é por isso que decidi escrever esse texto.

Que mundo é esse em que a gente tem que esconder nossos atos de bondade, gentileza e caridade? Que valores distorcidos são esses em que o bem deve ser feito às escondidas ou então será desvalorizado? Que crenças são essas de que um ato de bondade divulgado é vaidade e não um incentivo?

 

caridade03
Eu fui tentar entender o porquê disso e cheguei à conclusão de que as pessoas pensam assim pois infelizmente no nosso país é muito comum que políticos façam esse tipo de coisa para se promoverem e depois de promovidos acabam por mostrar quem realmente são: pessoas corruptas apenas buscando o seu benefício próprio.

Mas colega, eu PRE-CI-SO te dizer uma coisa: isso é minoria! A maioria das pessoas são boas. Todos os dias, milhões de pessoas fazem atos de bondade e caridade. Existem milhares de ongs e projetos, só no nosso país, sustentado por boa vontade de pessoas que trabalham em prol dos demais e que se suas ações forem divulgadas terão um alcance cada vez maior.

Quantos dias, meses ou anos a gente passa no automático sem nos lembrar de ajudar as pessoas? Temos tanta coisa para pensar que nos esquecemos de fazer caridade. E isso não é por maldade. É simplesmente porque temos muitos afazeres, sejam eles do trabalho, sejam eles domésticos ou relacionados aos nossos estudos e família… É por isso que acho importante, necessário e muito legal divulgarmos nossas ações de caridade. Às vezes é vendo a foto de um colega doando sangue que você se lembra da importância de doar sangue! Muitas vezes é vendo uma divulgação de um amigo, que você conhece um projeto social que pode confiar. É vendo esse tipo de compartilhamento que saímos do automático e que somos inspirados a fazer algo nesse sentido.

Não por acaso é no Natal que as ongs e projetos sociais recebem mais doações. Parece que nessa época do ano temos um tipo de “permissão” para divulgar nossos atos de bondade. Tudo isso inspirado no sentimento Cristão de fraternidade. Mas, porquê não fazer da nossa vida um eterno natal? Pense nisso.

Esqueça essa bobagem de que atos de bondade devem ser feito às escondidas como se fosse algo “fora da lei”, isso é uma contravenção quando se segue a lei do Amor!

Vá em frente

Vá em frente

E se um dia alguém lhe der aquele tipo de “conselho” que recebi, responda: sinceramente? Eu acredito que o mundo precisa mais de gente que quer aparecer fazendo o bem do que de críticos.

E aproveitando o espaço eu quero divulgar aqui cinco projetos super legais que conheço! Há diversas formas de ajudar cada um deles. Clique nas imagens para conhecê-los melhor:

Mais Atitude

Mais Atitude

Hai Africa

Hai Africa

Fundação Edmilson

Fundação Edmilson

C.O.T.I.C

proAnimal

Pró-Animal

Bora fazer essa rede do bem crescer?

 —-
UPDATE 19/04/2016

Refletindo mais sobre o porquê de algumas pessoas terem tanto preconceito com quem compartilha suas boas ações, cheguei a outras duas conclusões:

  • É muito comum as pessoas confundirem as verdadeiras intenções por trás desse ato. Normalmente julgam que as pessoas estão esperando algo em troca, estão esperando ser ovacionadas ou algo do tipo. O que não é verdade na maioria dos casos. 
  • Há o julgamento distorcido de que a pessoa precisa exibir seu ato de bondade para provar sua ética, pois às escondidas não teria a mesma atitude. Ou seja, julgam que a ética da pessoa em questão é um verniz, apenas algo superficial sem profundidade.

Nos dois casos, e isso também vale para a vida, o que importa é a sua intenção e não o julgamento desnecessário dos outros. 

Seja Feliz! Acione hoje mesmo aquilo que você já reconhece como Belo, Justo e Bom.

Compartilhar
Página 1 de 212